≡ Menu

Quando o barato sai caro

Oi, tudo bem? Eu sou o Fabricio Peruzzo, especialista em consórcios imobiliários, e hoje vou falar um pouco sobre uma questão que recebo com bastante freqüência das pessoas interessadas em usar os consórcios como investimento.

Hoje mesmo chegou esta pergunta no meu email, de um potencial cliente perguntando se eu auxiliava somente quem adquiria seus consórcios comigo, na venda das cartas contempladas, ou se eu ajudava a comercializar as cartas contempladas de qualquer origem.

O motivo dele para perguntar isso tinha certa lógica, ele trabalha em uma empresa que possui um plano de consórcios com taxas de administração bastante baixas para seus funcionários, em comparação com o mercado em geral.

O problema de olhar este investimento somente pelo ponto de vista da taxa de administração cobrada, é que esta é a variável menos importante de todas.

Eu trabalho com a Rodobens. Parte se deve por eu ter começado meus investimentos com eles, lá em 2002, e parte devido a eles possuirem os planos que melhor se encaixavam no investimento da maneira como eu acredito gerar o maior lucro. Me tornei representante da Rodobens e continuo adquirindo meus consórcios pessoais com eles por um só motivo: são os melhores planos para meus objetivos de lucro. Simples assim. Minha fidelidade é com meu bolso e com o futuro financeiro da minha família.

E o que falo aqui sobre meus investimentos pessoais, vale também para minha atuação profissional. Há administradoras de consórcio que constantemente me procuram para vender seus produtos. Algumas chegam a pagar até o dobro de comissão em comparação com o que recebo nas vendas da Rodobens.

Claro que eu gostaria de ganhar o dobro, mas a que preço? Vender um produto que eu mesmo não compraria, por saber ser pior do que o que paga menor comissão? Nem pensar!

E por que nem pensar? Simplesmente porque meu modelo de negócios é o de orientar meus clientes para a melhor escolha, para aquela escolha que eu mesmo faço nos meus investimentos pessoais. Quando conquisto um cliente novo, quero que ele obtenha o maior lucro possível com suas cartas, e quero que tenha as melhores probabilidades de contemplação que somente os planos mais bem formados podem proporcionar. Quando conquisto um novo cliente, não penso naquela venda pontual, mas sim, no resto da vida, nos anos e anos pela frente em que este cliente esteja lucrando e adquirindo novos consórcios com a certeza de estar fazendo o melhor investimento.

Poderia ganhar mais vendendo um produto pior, mas que pagasse comissão mais alta? Sim, por algum tempo certamente teria um faturamento bem mais alto, mas espichando este faturamento alguns anos a frente, certamente sairia perdendo, porque no meu modelo atual, de vender o melhor, quando alguém se torna meu cliente, é para toda vida, e no modelo “mais fácil”, de vender o que paga mais mesmo sendo pior, chegaria um ponto onde ficaria tão marcado por vender porcaria, que ninguém mais iria querer comprar de mim.

Já do ponto de vista de quem adquire um consórcio, é a mesma coisa. Quando opta por olhar somente a taxa de administração, está deixando de lado variáveis muito mais importantes, como a taxa de inadimplência dos grupos, a quantidade de cancelamentos, o processo de formação dos grupos e como este processo implica nas estatísticas de contemplação por sorteio, os benefícios adicionais dos grupos, como a possibilidade de aumento do crédito após a contemplação, com o novo saldo devedor sendo diluído ao longo do período restante. Enfim, várias variáveis muito mais importantes do que simplesmente qual é a taxa de administração do plano.

Nem vou falar então dos estratagemas que algumas administradoras utilizam, como dizer que possuem uma taxa de administração muito menor, mas na realidade mascarar tal administração com outros valores como taxa de inscrição, fundo de reserva, percentual de lance extra, ou outros termos usados para confundir as pessoas.

Então se você deseja investir para formação de patrimônio da melhor maneira possível, usando os consórcios como o veículo de investimentos para isso, faça do jeito certo, conte comigo para ajudar na melhor escolha, sabendo que, se no futuro surgir algo melhor, eu estarei lá para te orientar sobre o assunto.

Para adquirir seu consórcio através da Megacombo (sem custos extras) e contar com meu acompanhamento e orientação ao longo de todo teu investimento, basta selecionar a carta que desejas no Portal do Representante, uma página segura que faz parte do sistema da Rodobens, seguindo o link abaixo:

https://representante.rodobens.com.br/megacombo

A compra é feita selecionando o tipo de bem (para investimento, sempre o consórcio de imóvel) e o valor do crédito desejado. Depois de selecionar o crédito e o prazo (sugiro 180 meses, que é o que gera os maiores lucros), basta se cadastrar como “novo cliente”, se esta for sua primeira compra, ou utilizar seu CPF e senha, caso já possua outro consórcio com a Rodobens. Nota que estarás acessando uma página diretamente no sistema da Rodobens, para maior confiança na aquisição.

Não deixe que o aparentemente mais barato te custe caro. Compre certo, compre o melhor.

Há uma frase que gostaria de deixar aqui no final:

O gosto amargo da baixa qualidade dura muito mais, do que o curto prazer do preço baixo.

Se você gostou deste artigo, compartilha com os amigos. Mesmo que você não precise deste conteúdo, pode ser que alguém que você conheça possa gostar do assunto.

Te vejo em breve, de preferência, lucrando comigo.

{ 0 comments… add one }

Leave a Comment